04/set
Cecília trocou o jornalismo pela medicina

Relato: a missão de voltar a estudar

04 / set
Publicado por Allan Nascimento em NA PRÁTICA às 16:33

A maioria dos estudantes sonha em sair do terceiro ano com a matrícula feita na faculdade. E, seguindo a ordem natural da vida adulta, todo mundo quer concluir o ensino superior com um emprego na área para a qual buscou estudar. Agora, imagine que você consiga realizar todos esses desejos. Imaginou? Então pensa só: e a se a rotina profissional te mostrar que um sonho de anos não vai ser capaz de te realizar uma vida inteira?

A paraibana Cecília Lima, 27 anos, passou por isso. Em 2013, ela decidiu abandonar o jornalismo (sua primeira formação) e encarar o cursinho para tentar a concorrida medicina. Insatisfeita com o mercado e a rotina da profissão, assumiu o desafio de voltar a estudar química, biologia, física e demais disciplinas. O esforço foi válido e menos de dois anos depois ela trocava João Pessoa por Rio Grande – uma cidade no extremo sul gaúcho – para recomeçar a vida acadêmica longe de casa e dos amigos.

LEIA MAIS

Clique aqui e leia a redação de Cecília no Enem 2015

O caminho não foi fácil. Graduada desde 2011 pela UFPB, Cecília já batia ponto numa redação de jornal um ano antes de se formar. Carteira assinada, profissional reconhecida entre seus pares, e com um currículo respeitado (até mesmo se considerarmos a pouca idade), com cerca de três anos de ofício a vida de repórter já não atendia mais suas aspirações.

Nesse mesmo período, Cecília, que sempre gostou de estudar, estava envolvida pelo universo da psicanálise. E esse foi o insight que a fez abrir os olhos para a carreira que passou a almejar. “Sempre me interessei por saúde mental e decidi que queria trabalhar com aquilo. A melhor forma que encontrei seria se fizesse isso através da medicina. A psicanálise me puxou para a área”, conta. Objetivo identificado, Cecília planejou muito bem o que fazer para conseguir a aprovação de forma rápida.

Poupar para investir

“Pesquisei preço de cursinho e de faculdade e coloquei no papel quanto dinheiro eu precisaria poupar”, relata. “Eu tinha um valor x para gastar com pré-vestibular e esse dinheiro só cobria as despesas por poucos meses. Eu tentaria ingresso em uma faculdade particular e só tinha dinheiro para fazer uma inscrição de vestibular, que seria naquela faculdade. Se eu perdesse a prova, não teria como me inscrever novamente”, relembra. Ela guardou ainda o valor que precisaria para a matrícula – seu objetivo era dar continuidade ao curso com o suporte do Fundo de Financiamento Estudantil (Fies).

A princípio, o plano deu certo. Em seis meses estava aprovada e vinculada ao curso que pretendia, só que ela não conseguiu o apoio do Fies. Sem ter como dar continuidade à graduação, um mês depois precisou abandonar. “Em setembro, voltei para casa [a faculdade era em Campina Grande]. A prova do Enem seria no início de novembro e eu tinha pouquíssimo tempo para estudar. Estudei sozinha e não passei. Mas no ano seguinte, 2015, sabia que teria que tentar federal e comecei cedo a me preparar.”

Foi uma fase de muito comprometimento com a meta que tinha: não faltar aulas, responder muitos exercícios, tirar todas as dúvidas com os professores e ainda estudar em casa. Cecília também contou com o apoio de videoaulas para complementar os estudos e, apesar de ser jornalista (uma profissão que exige bom texto), precisou considerar a redação como uma disciplina que exigia tanto estudo e prática como qualquer outra das matérias.

Preparação para a redação

“O texto jornalístico é diferente de uma redação escolar. Tinha que estudar a fundo o que o Enem cobrava em cada uma das competências. Precisava praticar para entender como é que eu podia elaborar um texto que atendesse a todos os requisitos que eles julgam”, explica. “Eu treinei muito. Entre agosto e setembro de 2015, eu estabeleci uma meta de fazer uma redação por dia”.

LEIA MAIS
“Caminhos para combater a intolerância religiosa no Brasil” é o tema da redação do Enem 2016
Inep divulga cartilha com orientações para a redação do Enem
As cinco competências avaliativas da redação do Enem

Para complementar essa preparação, Cecília era assinante de alguns sites que faziam correções de redação. Ela enviava os textos para eles e aprimorava a escrita a partir dos feedbacks que recebia. A tática deu certo. No Enem realizado em 2015, apenas 104 inscritos tiraram nota 1.000 na prova de redação, e ela estava entre eles.

Apoio familiar e nova casa

A grade curricular do curso de medicina da Universidade Federal do Rio Grande (Furg) é anual. Para dar apoio ao pai, que teve um problema de saúde no ano passado, Cecília precisou se afastar da graduação depois que concluiu o primeiro semestre do curso. Assim, como instituições que adotam o regime anual não possibilitam que os alunos tranquem a matrícula antes do fim do ano curricular, ela reprovou o segundo semestre por falta e está “recomeçando” o curso pela terceira vez. “Não me arrependo. Eu fiz a escolha certa”.

Com tanto planejamento e dedicação, Cecília entendeu que essa etapa da vida poderia ainda ser mais enriquecedora para a formação pessoal e profissional dela se existissem novos cenários para essa história. Por isso, escolheu estudar na Furg, que fica bem distante de casa.

“Eu quis tentar algo novo, testar outros ambientes, e tive muito apoio da minha família nesse sentido. Meu pai foi um grande incentivador para eu ir embora, para eu conhecer outra realidade. A minha escolha pela Furg foi tanto pela qualidade e tradição do curso como por ter essa experiência de morar numa cidade que eu não conhecia. De fazer novos amigos, de me adaptar a uma cultura diferente. O objetivo era bem esse: recomeçar”.

Quais as dicas que Cecília para quem quer passar por esse recomeço?

1 – Você precisa ter em mente que dois ou três anos de sofrimento em um cursinho não são nada se comparado a uma vida inteira trabalhando em algo que não se gosta. As dificuldades de voltar a estudar depois de muitos anos se tornam um problema pequeno;

2 – Nunca é tarde para fazer essa troca. Esta deve ser uma troca bem pensada, bem planejada, não deve ser feita por impulso;

3 – A capacidade do ser humano de aprender é infinita. Quando você se dedica, seu cérebro é capaz de coisas que você nem imagina. A gente é capaz de aprender e de reaprender. Uma pessoa que tem 30 anos pode aprender um conteúdo de ensino médio até muito melhor que uma pessoa jovem, porque se de uma coisa eu tenho certeza, é de que a maturidade ajuda muito;

4 – A idade auxilia a ter mais paciência e a ter mais malandragem para resolver questões. Quando você é mais novo, é mais nervoso, é mais imediatista, e, por infantilidade, pode quebrar a cara resolvendo uma prova. Eu estou fazendo uma segunda graduação bem diferente da primeira, com bem mais maturidade, sabendo o que eu quero, buscando aproveitar ao máximo o que eu posso.”


FECHAR